OLL Blog – Un acercamiento a la historia africana a través del Vocabulario de Bluteau – Andrea Guerrero-Mosquera

Un acercamiento a la historia africana a través del Vocabulario de Bluteau

Andrea Guerrero-Mosquera

Profesora en la Universidad Autónoma Metropolitana-Xochimilco

E-mail: guerrero.andrea10@gmail.com

Twitter: @Andreag1086

La Biblioteca Oliveira Lima posee una importante colección de libros raros, en los que se puede encontrar rastros de la histórica relación entre Brasil y África, y, no es para menos, la historia africana y brasileña comparten una historia común marcada por la trata de africanos.

Pero ¿qué podemos encontrar en la Biblioteca Oliveira Lima al respecto? Entre otras cosas, la Relaçam annual del jesuita Fernão Guerreiro (1605), De gedenkwaardige voyagie de Andrew Battell (1706), entre otros textos que nos permiten introducirnos e iniciarnos en la historia de África como lo es el texto de Olfert Dapper (1673). En esta ocasión, nuestro interés se centrará en este último texto en mancuerna con el diccionario de Bluteau.

Semanas atrás, la Dra. Nathalia Henrich nos mencionó: “No collection of literature of the Lusophone world worthy of its name is complete without the presence of Camilo Castelo Branco”; a lo que quisiéramos agregar, ninguna col

Bluteau, Rafael. Vocabulario portuguez…1716. Oliveira Lima Library, The Catholic University of America.

ección lusófona está completa sin el Vocabulário portuguez e latino de Bluteau (1716). Este reconocido erudito de la lengua portuguesa escribió ocho tomos de un diccionario lexicográfico que nos permite entender algunos aspectos relevantes del uso del portugués del siglo XVIII e incluso, de años anteriores.

La relación entre estos dos textos radica en que Bluteau cita, en varias ocasiones, el texto de Dapper (la versión francesa de 1686), en las que menciona algunas palabras que hacen referencia directa a África. Por ello, en esta ocasión, sólo mencionaremos dos vocablos: pombeiros y mandingas.

En la primera, hace referencia específicamente al comercio esclavista al mencionar que los portugueses en Angola les enseñaron a leer, escribir y contar a los pombeiros para que pudieran negociar en los pumbos(1720, 588) que estaban en sertão. Más adelante, hace referencia a Dapper (1686, 359) para anotar que los pombeiros solían estar fuera de “casa de seus senhores” años enteros dado que se encontraban “ocupados em comprar escravos, marfim, cobre, & outras mercancías” (Ibíd.). Esta definición en particular, no sólo nos ofrece el contexto geográfico: Angola; si no que, además testifica la trata negrera era realizada por mediadores que previamente habían sido “entrenados” para esa labor.

Este aspecto es muy importante a la hora de conocer parte de la historia de la trata negrera por tres razones: primero porque nos muestra que el comercio iba de la mano de otras actividades comerciales; segundo, porque nos ilustra el periodo que podría tardarse todo el proceso, lo que nos ubica, de una u otra manera en otra dimensión del proceso comercial que va más allá de lo popularmente se nos enseña en los libros de textos; y, tercero, nos reseña cómo se desarrolló la trata negrera en África central, actividad en la que estaban involucrados los europeos y sus mediadores, en este caso los pombeiros.

El segundo vocablo se aleja un poco del contexto esclavista y nos sumerge en la herencia africana en América. Cuando Bluteau intenta definir qué es Mandinga no se limita con ilustrar acerca del origen de este grupo de personas, sino que va más allá, y, retomando el texto de Dapper (1686, 245), los describe como grandes hechiceros (feiticheros) que, según Fromont (2020, 7), es una acepción derivada de un lusitanismo que los marineros portugueses acuñaron de la palabra “fetiche”, que a su vez fue un vocablo usado en Guiné para nombrar a los “ídolos”.

Posteriormente, hace referencia a las bolsas mandingas, elementos a los que otorga poderes de protección que “fazem impenetraveis às estocadas, como se tem experimentado nesta Corte, & neste Reyno de Portugal em varias ocasiones” (1716, 286).

Vendedoras con amuletos colgados al cuello y la cintura

Pero, ¿qué son las bolsas mandingas? Se dice que eran amuletos usados en el contexto atlántico portugués, e incluso se dice que llegaron al Caribe hispano y a la India. Estos elementos consistían en pequeños paquetes de tela cosida; podían contener semillas, cabellos y papeles con oraciones. Dichos amuletos eran usados como protección, y, en el caso de las personas esclavizadas, se sabe que las bolsas eran usadas como ayuda para evadir los abusos de los esclavistas y, también se usaron en cuestiones del “bien querer, es decir, en situaciones de tipo amoroso. También servían, como ya lo ha citado Bluteau, para evitar que las armas penetraran en el cuerpo ya fueran puñaladas o heridas de bala, y, asimismo, se usaban para evitar picaduras de serpientes.

Carlos Julião, Negras vendedoras de rua, (s.f.) Biblioteca Nacional de Brasil.

En líneas generales, las bolsas mandingas sirvieron a la población como forma de protegerse ante diversos eventos. Estos elementos hacen parte de la cultura material de la herencia africana, y su presencia es indiscutible en el mundo atlántico portugués, e incluso, más allá. De ahí la importancia de conocer su origen y su utilidad dentro de la población de origen africano.

Por todo lo anterior, en esta pequeña entrada quisimos explorar algunos aspectos de la historia de África que se pueden consultar en la Biblioteca Oliveira Lima, que, como se pudo ver en el texto, indagar sobre las culturas africanas en las colecciones de la biblioteca es factible. Lo anterior, teniendo en cuenta que el acervo documental es extraordinario, y, por medio de este, podemos acceder a algunos textos que nos pueden ayudar a entender el entramado comercial de la trata negrera y, al mismo tiempo, son textos que nos permiten comprender de dónde provenían algunas de las manifestaciones culturales africanas, cómo eran representadas en la literatura y cómo estas están enmarcadas dentro de un contexto narrativo particular: el de los viajeros.

Bibliografía citada

AHU, Fundo do Conselho ultramarino, Série Angola, Cx. 8, D. 959. Consulta do Conselho Ultramarino ao rei D. Afonso VI sobre o requerimento dos oficiais da câmara e moradores de Angola.

Battell, Andrew. De gedenkwaardige voyagie van Andries Battell van Leigh in Essex, na Brasilien : en desselfs wonderlijke avontuuren, zijnde gevangen gebragt van de Portugijsen na Angola, alwaar en waar ontrent [sic] hy by-na 18. jaren gewoond heeft. Ao. 1589. en vervolgens. Te Leyden: By Pieter Van der Aa, 1706.

Bluteau, Rafael. Vocabulario portuguez, e latino, aulico, anatomico, architectonico, bellico, botanico … autorizado com exemplos dos melhores escritores portuguezes e latinos e offerecido a El Rey de Portugal D. Joaõ V. Coimbra, No Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1716.

Bluteau, Rafael. Vocabulario portuguez, e latino, aulico, anatomico, architectonico, bellico, botanico … autorizado com exemplos dos melhores escritores portuguezes e latinos e offerecido a El Rey de Portugal D. Joaõ V. Coimbra, No Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1720.

Dapper, Olfert. Die Unbekante Neue Welt, oder, Beschreibung des Welt-teils Amerika, und des Sud-Landes. Darinnen vom Uhrsprunge der Ameriker und Sudländer und von den gedenckwürdigen Reysen der Europer darnach zu.  Wie auch von derselben Festen Ländern, Inseln, Städten, Festungen, Dörfern, vornähmsten Gebeuen, Bergen, Brunnen, Flüssen und Ahrten der Tiere, Beume, Stauden, und anderer fremden Gewächse; Als auch von den Gottes-und Götzen-diensten, Sitten, Sprachen, Kleider-trachten, wunderlichen Begäbnissen, und so wohl alten als neuen Kriegen, ausführlich gehandelt wird Zu Amsterdam: Bey Jacob von Meurs, auf der Keysersgraft, in der Stadt Meurs, 1673.

Fromont, Cécile. “Paper, Ink, Vodun, and the Inquisition: Tracing Power, Slavery, and Witchcraft in the Early Modern Portuguese Atlantic.” Journal of the American Academy of Religion Vol. 88, No. 2, 2020, pp. 460-504.

Guerreiro, Fernão. Relaçam annal das cousas que fezeram os padres da Companhia de Iesus nas partes da India Oriental, & no Brasil, Angola, Cabo Verde, Guine, nos annos de seiscentos & dous & seiscentos & tres, & do processo da conuersam, & christandade daquellas partes, tirada das cartas dos mesmos padres que de là vieram Em Lisboa: Per Iorge Rodrigues, Impressor de liuros, 1605.

OLL Blog – Entre Manhattan e Rio de Janeiro: O caso do periódico O Novo Mundo (1870-1879) – Alessandra Carneiro

Capa de O Novo Mundo com a imagem de Manhattan com a ponte do Brooklyn ao fundo: vol IV, nº43, 23/04/1874. Hemeroteca Digital, Biblioteca Nacional.

Entre Manhattan e Rio de Janeiro: O caso do periódico O Novo Mundo (1870-1879)

Alessandra Carneiro

Doutora em Letras pela USP

Um veículo de informação e cultura que promova o american way of life no Brasil não soa incomum no mundo globalizado do século XXI, mas não deixa de despertar interesse e curiosidade quando se trata do século retrasado. O Novo Mundo: Periodico Illustrado do Progresso da Edade foi publicado pela primeira vez em 24 de outubro de 1870 e desde 2012 pode ser consultado na Hemeroteca digital da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. No entanto, manusear um original do periódico é um privilégio que pude ter na Oliveira Lima Library, em 2013, durante meu estágio de doutorado sanduíche financiado pela Capes/Fulbright, nos Estados Unidos. O tamanho grande, a beleza das imagens e o bom estado de conservação de O Novo Mundo impressionam e, sem dúvida, tornam o trabalho com ele muito mais prazeroso.

 Editado em língua portuguesa entre 1870 e 1879, o jornal era impresso em Manhattan e enviado mensalmente aos seus assinantes no Rio de Janeiro. Inicialmente, o fluminense José Carlos Rodrigues mantinha o periódico sozinho, ocupando-se de todas as funções necessárias para a produção e circulação, mas, posteriormente, importantes intelectuais brasileiros contribuíram para a folha, como o poeta maranhense Sousândrade. As matérias de O Novo Mundo (ONM) eram bastante diversificadas, visto que os seus 108 volumes publicados abordam, por exemplo, literatura, política, protestantismo, economia, ciências etc. Era declarado que o escopo do periódico não era publicar notícias atuais, mas discutir os princípios, a política e o progresso da república estadunidense. Assim, o seu intuito era um só: oferecer ao Brasil um exemplo de nação próspera na América que pudesse lhe servir de exemplo de modernização.

 Vale ressaltar que nessa época o Brasil ainda era uma monarquia escravocrata e essencialmente agrária, ao passo que os Estados Unidos – uma república livre e democrática após a Guerra de Secessão (1861-1865) – atravessavam um período marcado pela expansão econômica, além da acelerada urbanização, industrialização e inovação tecnológica. Desse modo, o periódico incentivava a ida de brasileiros aos EUA para conhecer o seu modelo de prosperidade in loco. Nesse sentido, ONM publicava assiduamente propaganda das oportunidades de formação acadêmica existentes nos EUA, tendo Rodrigues, inclusive, assumido a tarefa de guiar e aconselhar estudantes brasileiros recém chegados em Nova York, muitos dos quais se dirigiam à Universidade de Cornell para estudar Engenharia.

Edifício do New York Times onde também ficava a redação de ONM: Vol.4, nº45, 23/06/1874. Pág 162. The Oliveira Lima Library, The Catholic University of America.

Foi também possivelmente incentivado por Rodrigues que Sousândrade mudou para NY em 1871 levando uma de suas filhas para estudar (CARNEIRO, 2016). O poeta contribuiu com algumas publicações assinadas no periódico e manteve anonimamente a coluna Notas Literárias. Ele foi nomeado vice-presidente de ONM em 1875, permanecendo no cargo até 1879. Sousândrade corroborou uma das constantes do jornal que era criticar abertamente o Império brasileiro por meio de publicações concernentes abolição da escravidão.  Por exemplo, em novembro de 1871 foi publicada uma correspondência do poeta intitulada ironicamente A emancipação do Imperador, que refletia sobre a divulgação distorcida da promulgação da Lei do Ventre Livre de 28 de setembro daquele mesmo ano. Uma notícia publicada no jornal Herald de NY atribuía a Dom Pedro II o mérito pelo protagonismo ruma à abolição da escravidão, ao que Sousândrade reagiu ferozmente argumentando que não era iniciativa do Imperador, mas um clamor do povo que ele prudentemente ouviu e que inclusive ameaçava a monarquia. 

No mesmo tom crítico, na edição de março de 1872 saiu o artigo O Estado dos índios no qual Sousândrade condenava o descaso do Império brasileiro pela situação degradante em que viviam os nativos das comunidades ribeirinhas do Amazonas. O argumento do poeta nesse artigo era que o governo deveria investir mais em missionários e educadores capacitados para atuarem junto aos autóctones porque, se bem preparados, eles seriam trabalhadores livres mais adequados à substituição do trabalho escravo, na iminência do seu fim. Para endossar sua opinião sobre a colonização do sertão brasileiro utilizando os próprios nativos, Sousândrade cita no mesmo artigo o naturalista amigo de Rodrigues Charles Frederick Hartt, professor na Universidade de Cornell, que teria voltado do Amazonas há pouco e concluído que o índio seria melhor elemento de população que os imigrantes europeus, pois seriam mais inteligentes que, por exemplo, os irlandeses que emigravam para os

Colégio do Sagrado Coração, instituição de ensino católica voltada para meninas onde estudou a filha de Sousândrade, Maria Bárbara. Vol. II, nº14, 24/11/1871, pág. 25. Hemeroteca Digital, Biblioteca Nacional.

EUA.

Além de Sousândrade, outros homens de letras importantes contribuíram para a revista de Rodrigues, como o engenheiro André Rebouças, Salvador de Mendonça (nomeado cônsul geral do Brasil em NY em 1876) e o ilustre Machado de Assis. No caso deste último, houve uma única publicação feita sob encomenda de Rodrigues no volume de março de 1873: Notícia da atual literatura brasileira – Instinto de Nacionalidade; mas que causou impacto pelo seu posicionamento crítico ao romantismo brasileiro e à dependência ao referencial cultural europeu ainda em voga no Brasil. Considerando o afinamento de Rodrigues com as ideias aventadas por Machado, já se argumentou que a importância de ONM para a literatura brasileira se daria por constituir um suporte relevante da transição entre as tendências literárias românticas para a realista-naturalista/parnasiana no Brasil. (ASCIUTTI, 2010). 

Portanto, O Novo Mundo congregou brasileiros empenhados em assimilar o que consideravam o caminho que levaria o Brasil retrógrado à modernidade. Esses homens de letras não eram, entretanto, passivos à ideia de americanização da nação, pois antropofagicamente (salvaguardado o anacronismo do termo) buscavam no estrangeiro conhecimentos e ações que pudessem beneficiar o país de modo a torná-lo uma potência socioeconômica na América do Sul que fizesse par com os Estados Unidos. No século XIX, um projeto geopolítico desse calibre para a América configurava-se um contraponto inédito ao poder europeu, por isso a importância de ONM.

Referências 

CARNEIRO, Alessandra da Silva. O Guesa em New York: Republicanismo e Americanismo em Sousândrade. 2016. 214 f. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

ASCIUTTI, Mônica Maria Rinaldi. Um lugar para o periódico O Novo Mundo (Nova York,1870-1879). Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas e Vernáculas). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2010.

OLL Blog – Reflections on my first semester as OLL Copy-Cataloger – Erin Mir-Aliyev

This Spring semester has been challenging in many ways that we could not have anticipated when 2020 started. The changes have been immense.  Nevertheless, as a community we grew stronger together, adapting, facing and overcoming new obstacles in order to provide our students with the best of us. As we reach the end of the term and reflect on what we have done, I invited our graduate research assistant at The Oliveira Lima Library, Erin Mir-Aliyev, to share her thoughts on her experience . 

Erin is a graduate student in the Library and Information Science Department at The Catholic University of America and the first recipient of the Flora de Oliveira Lima Fellowship for Graduate Students in Library and Information Science. The fellowship honors Manoel de Oliveira Lima’s wife, a bibliophile in her own right who took charge of the library after his passing and left an unequivocal imprint on it. 

 Reflections on my first semester as OLL Copy-Cataloger

Erin Mir-Aliyev  

Master of Science in Library and Information Science – The Catholic University of America

Flora de Oliveira Lima Fellowship for Graduate Students in Library and Information Science – The Oliveira Lima Library

OLL books waiting for their catalog record to be found in OCLC.

Working as a graduate research assistant for the Oliveira Lima Library this spring has been a rewarding experience. Not only have I started to apply first hand in my work what I have been learning in my classes; I have gotten to work in a special collection focusing largely on resources containing information about history and culture, something that allows me to incorporate my social sciences interests and undergraduate degree in anthropology into my library career.

There were many different tools and software programs I’d heard about in my Fall classes, but not having worked in a library since high school, I was not in a position in which I got the chance to use them. As a visual and tactile learner, I was concerned that I was not truly grasping what was being taught. Since beginning to assist the Oliveira Lima Library with processing its collection late last Fall, I have noticed there are three areas in particular where I have learned a lot already and begun to grow more confident: accessing and using OCLC Connexion and Alma, and understanding MARC21.

OCLC Connexion

OCLC is a global library cooperative which provides a tool, OCLC Connexion, through which libraries can create and share their bibliographic records with other libraries. It allows copy-catalogers to find already-existing bibliographic records for their collection’s materials so that librarians don’t have to repeat work that has already been done. Before shadowing a cataloger, I had not realized how long creating one bibliographic record from scratch can take – often over an hour per record. OCLC Connexion has made it possible for me to discover and import into Alma bibliographic records for about 500 books since January, some of which are not very common. As a result, we have been much more efficient than we otherwise would have been at incorporating materials into the library. Going through this process has also allowed me to better understand which elements of a record are the most important for identifying it.

Alma

Alma is a cloud-based platform that allows libraries to manage their catalog by importing and editing bibliographic records found in OCLC. So far, I have completed this process for hundreds of books, as well as creating holding and item records for them. My understanding of the differences between a work, expression, manifestation, and item (as expressed by FRBR) has increased greatly as a result of going through this process. These differences are reflected in the differences between bibliographic, holding, and item records for a specific book. 

MARC

MARC21 is a set of international standards for digital formatting of intellectual and physical traits of bibliographic materials, in my case, books. It struck me as very complicated and difficult to understand while in class, and I have been slowly memorizing the various field codes and formats for descriptions. Copy-cataloging for OLL is a more detail-oriented process than for a lot of collections due to the rare and unique nature of many of its materials, as individual books often contain inscriptions, signatures, or other markings and materials left by people significant to the history of the collection. The MARC fields most significant for cataloging of OLL resources are some fields also commonly used by general collections such as 100 (Main Entry – Personal Name), 245 (Title Statement), and 260 (Publication Information). However, culturally, historically, or biographically important information also needs to be included in the record; other fields like 561 (Ownership and Custodial History), 562 (Copy and Version Identification), and 590 (Local Note) focus on books’ rare and unique traits. This is where I am able to record details about who or what institution previously owned a book, or autographs and bound-in items like letters.

Detail of a book with the OLL stamp.
Example of a book inscribed by Brazilian poet Vinicius de Moraes to OLL’s former Curator Manoel Cardozo in 1963.

As I continue to work into the next semesters, I look forward to being able to learn even more, such as copy-cataloging for books written in other languages, how to classify and manage archival materials, and how to handle, categorize, and catalog artworks.

OLL Blog – As Servinas na Oliveira Lima Library Parte II – Pablo Iglesias Magalhães

Seguimos com a segunda parte do texto do Professor Pablo Iglesias Magalhães sobre as Servinas da nossa coleção. Se você perdeu a parte I, pode encontrar o texto aqui 

 

As Servinas na Oliveira Lima Library 

Parte II: Serva entre o processo de Independência e o Segundo Império

Pablo Iglesias Magalhães

Professor dos cursos de História, do Programa de Pós-Graduação em Ciências Humanas e Sociais  e Vice-Diretor do Centro das Humanidades da Universidade Federal do Oeste da Bahia.

Manoel Antonio da Silva Serva faleceu no Rio de Janeiro em agosto de 1819. A tipografia já funcionava em sociedade com seu genro José Teixeira de Carvalho, desde junho daquele ano. A sua parte foi herdada pela viúva, Maria Rosa da Conceição Serva, e a oficina de impressão passou a se chamar Typographia da Viuva Serva, e Carvalho (1819-1827).  Diferente da sua primeira fase, na qual operou em uma conjuntura de prosperidade econômica e relativa tranquilidade política em Salvador, a empresa funcionaria em um período turbulento da História da Bahia, assinalado pela Revolução Constitucionalista (fev. 1821), a Guerra de Independência (1822-1823)  e a Revolta dos Periquitos (nov.1824), sendo que, nesta última ocasião, os prelos da Serva foram transportados à bordo da corveta Maria da Glória, para continuar imprimindo papéis do governo na Baía de Todos os Santos. 

Entre 1821 e 1822, a Serva deu prelo a uma série de papéis constitucionais, cujos raríssimos exemplares se encontram dispersos em bibliotecas públicas e coleções particulares no Brasil, Portugal e Estados Unidos. Esse conjunto ainda não recebeu a devida atenção pelos historiadores. Na OLL, há um exemplar das Reflexões sobre o decreto de 18 de fevereiro deste anno offerecidas ao povo da Bahia por Philagiosotero. O folheto com 11 páginas já começa registrando que “se o respeito ao Monarcha he nas Monarchias o primeiro dever do Povo, he tambem certo que huma justa consideração aos direitos do Povo he da obrigação do Principe, e qualquer ataque a estes direitos chama a resistencia legitima de huma Nação contra o mesmo Rey, que desconhece as suas funcções verdadeiras.” Philagiosotero é pseudônimo do paulista Antônio Carlos Ribeiro de Andrada Machado e Silva (1773-1845), que ficou preso por quatro anos na Bahia, por ter tomado parte na Revolução Pernambucana (1817).  Na OLL, ainda consta um exemplar da Relação dos Successos do Dia 26 de Fevereiro de 1821, escrita no Rio de Janeiro em 10 de Junho de 1821 e o controverso folheto Exame Analítico-Crítico da Questão: o Rei, e a Família Real de Bragança devem, nas Circunstâncias Presentes, Voltar a Portugal ou Ficar no Brasil? (1821).

A morte de Manoel Antonio da Silva Serva e as rupturas institucionais e comerciais entre Brasil e Portugal, produzidas pela Independência, interrompeu o fluxo de livros baianos para a Europa. A Typographia de Serva, influenciada por essas transformações, foi gradualmente convertida em uma tipografia nacional e imperial, particularmente a partir de 1828. Naquele ano, os dois filhos de Maria Rosa da Conceição, Manoel Antonio da Silva Serva (1802-1846) e José Antonio da Silva Serva (1808-1878), se associaram a sua mãe e criaram a Typographia da Viuva Serva e Filhos (1828-1836).  Com o encerramento das atividades da Typographia Nacional da Bahia (1823-1831), a Serva passou a cumprir a função de imprimir papéis do governo imperial e provincial. Os impressos baianos daquele período são mais raros do que os da primeira fase da Serva, pois a interrupção na sua exportação fez com que seus papéis circulassem apenas nos trópicos, ficando mais expostos à umidade e insetos. 

Pigault-Lebrun. Monsieur de Kinglin, ou : a presciencia Bahia: Na Impressão da viuva Serva, 1829. Oliveira Lima Library, The Catholic University of America.

As servinas pós-1822 também ficam mais escassas na OLL. Há a segunda novela impressa na Bahia, Monsieur de Kinglin, ou a presciência de Mr. Le Brun. A primeira novela impressa na Bahia fora uma tradução da Atalá (1819), de Chateaubriand, que havia sido impressa pela primeira vez em Lisboa em 1810 e censurada pelas autoridades inquisitoriais portuguesas em 1812. Monsieur de Kinglin também não foi bem vista à época, por não estar de acordo com os padrões morais e religiosos vigentes, tendo, contudo, a peculiaridade de declarar ter sido publicada “Na Impressão da Viuva Serva”.  Até hoje só encontrei dois livros com essa declaração editorial, atribuindo-se exclusivamente à Maria Rosa da Conceição Serva, que é a primeira proprietária de uma casa editorial no Brasil. Poucas foram, contudo, as novelas impressas na Serva e quase todas, se não todas, traduções do francês para o português. 

Na OLL, uma obra da Serva e Filhos se destaca, até o presente, pelo critério da unicidade. São as Reflexões Criticas Sobre a Administração da Justiça em Inglaterra,  tanto no civel como no crime, e sobre o jury, n’uma serie de cartas a um amigo (1829). Não foi possível encontrar outro exemplar dessas Reflexões Criticas, mas ela foi ofertada no Catalogo nº 14, de 1930, da Livraria Coelho, de Lisboa, classificadas in-8º de 34-53-60 páginas, ao preço de 40$00, em brochura. A primeira edição foi tirada na Impressão Régia de Lisboa em 1826 e seu autor foi José Joaquim Ferreira de Moira (c. 1776-1829), apelidado de “Doutor Macaco”, pelo poeta Manoel Maria Barbosa du Bocage. 

Em 1836, a Typographia da Viuva Serva e Filhos se dividiu em duas oficinas, a primeira que continuou na Cidade baixa e outra no Pelourinho, em uma casa na Rua do Bispo, n.o 29, com o nome de Aurora de Serva e Comp. Essa segunda oficina foi administrada pelo filho mais velho do casal Serva. Intelectual modesto, editor competente e impressor talentoso, que, entre 1836 e 1846, conseguiu restabelecer o prestígio e a apurada qualidade gráfica das servinas, comprometida pela baixa qualidade editorial desde a Independência. Serva transferiu sua oficina, após a Sabinada (7 nov. 1837 – mar. 1838), para outra casa, na quina oposta ao Aljube, n.o 6. Essa casa, contudo, foi destruída por um incêndio na madrugada de 31 de agosto de 1840.   

Moira, José J. F. Reflexões Criticas Sobre a Administração Da Justiça Em Inglaterra, Tanto No Civel Como No Crime, E Sobre O Jury, N’uma Serie De Cartas a Um Amigo. Bahia: Serva, 1829. Oliveira Lima Library, The Catholic University of America.

Manoel Antonio da Silva Serva, filho, retornara para o mesmo prédio onde seu pai estabeleceu a imprensa na Bahia, no morgado de Santa Bárbara. Os livros impressos na última fase da oficina em Salvador (1839-1846) são preciosos. Na OLL existe um exemplar de um livro dessa fase, de autoria do próprio Serva, intitulada Exposição das razões que reclamão o tratado de commercio entre o Brasil e Portugal (1843), que foi oferecida a Associação Comercial da Bahia.  Serva, contudo, faleceu repentinamente aos 44 anos, solteiro e sem herdeiros. Sua mãe e irmão mais novo logo venderam a livraria. A Typographia de Serva encerrou seus trabalhos na Cidade da Bahia em 1846.

OLL Blog – As Servinas na Oliveira Lima Library – Pablo Iglesias Magalhães

 O objetivo do OLL Blog é informar sobre a Oliveira Lima Library e aproximar o público da nossa coleção. Além de destacar itens do acervo e informar sobre as nossas atividades, queremos através do blog apresentar resultados de pesquisas realizadas aqui na OLL. Hoje inauguramos a série de posts com convidados e convidadas que generosamente aceitaram o convite para compartilhar conosco seus trabalhos. Esta seção vai ser tão internacional como é a a OLL, refletindo a variedade de temas, idiomas e perspectivas que podem ser estudados através das fontes do nosso acervo. Por isso, os convidados ficam à vontade para escrever no idioma em que desejarem e com o auxílio de uma ferramenta de tradução automática, o texto fica acessível a um número maior de leitores. 

Espero que apreciem a primeira parte do texto do Professor Pablo Iglesias Magalhães sobre as nossas Servinas. A parte II será publicada na semana que vem. Não deixe de conferir!

 

As Servinas na Oliveira Lima Library 

Parte I: A Typographia de Manoel Antonio da Silva Serva

Pablo Iglesias Magalhães

Professor dos cursos de História, do Programa de Pós-Graduação em Ciências Humanas e Sociais  e Vice-Diretor do Centro das Humanidades da Universidade Federal do Oeste da Bahia.

A Typographia de Manoel Antonio da Silva Serva (1811-1819), estabelecida na cidade do Salvador, um dos centros comerciais mais dinâmicos no Atlântico sul, não pode ser compreendida, em sua origem, como uma tipografia baiana. Constitui-se, antes, em uma casa de impressão ultramarina cuja origem se encontra nas transformações políticas ocorridas no Império português no início do século XIX.  Ainda que parte da produção tipográfica da Serva, naquele período, fosse para ser consumida imediata e localmente, particularmente os periódicos, seus livros estavam inseridos em uma ampla rede comercial que, além das diversas capitanias do Brasil, os fazia alcançar livreiros e leitores na Europa, África e Ásia.  

A produção tipográfica da Serva, inicialmente, respondia, para além das demandas de uma cidade portuária, às transformações políticas, econômicas e intelectuais que tiveram lugar no Império português. O conjunto de servinas custodiado na Oliveira Lima Library (OLL) é especialmente representativo para compreender aquele contexto histórico. 

Manoel Antonio da Silva Serva nasceu em cerca de 1760, em Vila Real, capital da Província de Trás-os-Montes e Alto Douro, Freguesia de Cerva, do Conselho de Ribeira de Pena. Chegou à Bahia por volta de 1788 ou 1789, quando contava 27 ou 29 anos. Casou-se com Maria Rosa da Conceição (?- 1858), natural da Bahia. O comerciante tornou-se livreiro, instalando livrarias em Salvador e no Rio de Janeiro, onde negociava impressos portugueses e franceses. Em 1810, por sua diligência, foi publicado, na Impressão Régia do Rio de Janeiro, o primeiro catálogo de uma livraria no Brasil. Serva, naquele mesmo ano, passou a pleitear, junto ao governo português, permissão para estabelecer uma tipografia na Cidade da Bahia. Essa licença foi conseguida no início do governo de d. Marcos de Noronha e Britto (1811-1817), o oitavo Conde dos Arcos, que instituiu uma Comissão de Censura (1811-1821), cuja função era examinar os manuscritos remetidos para impressão. 

A 13 de maio de 1811, foi inaugurada a Tipografia de Manoel Antonio da Silva Serva, instalada, inicialmente, no Morgado de Santa Bárbara, que já abrigava a sua livraria.

Detalhe do Morgado de Santa Bárbara. Arquivo Público do Estado da Bahia, séc. XVIII.

A OLL possui os dois livrinhos de cunho liberal, de autoria de José da Silva Lisboa (1756-1835), impressos no primeiro ano da tipografia. Essas duas obras, que já haviam sido publicadas no Rio de Janeiro, tem por título Observações sobre a franqueza da industria, e estabelecimento de fabricas no Brazil e Observações sobre a prosperidade do estado pelos liberaes principios da nova legislação do Brazil.  Ambas estão alinhadas ao liberalismo econômico que começavam a ganhar força entre os intelectuais e políticos portugueses, especialmente pela circulação dos livros e traduções feitos por José da Silva Lisboa e seu filho Bento da Silva Lisboa, que verteram para a língua portuguesa os princípios econômicos postulados na obra do professor escocês Adam Smith (1723-1790).

Morgado de Santa Bárbara em Salvador, Bahia. Rodolfo Lindeman, c. 1885.

A criação da Escola de Cirurgia da Bahia (1808), com sua subsequente elevação à Academia Médico-Cirúrgica da Bahia (1816) e Faculdade de Medicina da Bahia (1832), levou à Typographia de Serva a dar prelo a produção intelectual do corpo docente daquela instituição. O primeiro livro de medicina impresso na referida capitania foi Elementos de Osteologia Practica (1812), de José Soares de Castro (1772-1849). Também de Soares de Castro há uma tradução das Memorias physiologicas, e praticas sobre o aneurisma, e a ligadura das artérias, por Jean-Pierre Maunoir (1768-1861).

O médico que mais obras publicou na Typographia de Serva foi Manoel Joaquim Henriques de Paiva (1752-1829), inconfidente português desterrado na Bahia. Na OLL existe um exemplar do seu primeiro livro baiano,  Da febre e da sua curação em geral: ou, Novo e seguro methodo de curar facilmente, por meio dos acidos mineraes, todas as especies de febre, originalmente impresso em alemão por Gottfried Christian Reich (1769-1848), traduzido em francês por Charles Chrétien Henri Marc (1771-1840) e, finalmente, para o português, circulando amplamente por gerações de estudantes luso-brasileiros. 

A literatura também esteve presente na primeira fase da Serva. Na OLL há exemplar de um best-seller da época, a rara edição baiana das três partes da Marilia de Dirceu (1812), do poeta inconfidente Tomás Antonio Gonzaga. A terceira parte é apócrifa e não pode ser atribuída a Gonzaga. De original, há um exemplar de a Parafraze dos Proverbios de Salomão (1815), do mineiro José Eloy Ottoni (1774-1851), poema de natureza maçônica e relativamente fácil de encontrar em boas coleções. Também há um exemplar da Relação do Festim (1817), que traz um conjunto de composições, da autoria de alguns personagens influentes da época, como José Francisco Cardoso de Moraes, Paulo José de Melo Azevedo e Brito e Ignacio José de Macedo.  De literatura clássica há a edição baiana da Arte Poetica (1818), de Quinto Horácio Flaco (65 a.C. — 8 a.C.), traduzida em verso português pelo médico e pedreiro-livre Antonio José de Lima Leitão (1787-1856).

Bivar, Diogo Soares da Silva e. Principios geraes, ou, Verdadeiro methodo para se aprender a lêr, e a pronunciar com propriedade a lingua franceza. Bahia: Na Typog. de Manoel Antonio da Silva Serva, 1811. Oliveira Lima Pamphlet Collection, Oliveira Lima Library, The Catholic University of America.

No mesmo ano em que foi inaugurada, a Typographia de Serva começou a produzir livros didáticos para atender a demanda do ensino ministrado pelos professores régios e pelos poucos colégios existentes em Salvador. Um dos primeiros manuais didáticos na Bahia tem por título Principios Geraes ou Verdadeiro Methodo Para se aprender a lêr, e a pronunciar com propriedade a Lingua Franceza, folheto anônimo com 22 páginas, do qual existe um exemplar na OLL. Apesar do anonimato, é notório que seu autor foi Diogo Soares da Silva e Bivar, então acusado de inconfidência em Portugal e preso desde 1810 no Forte de São Pedro, em Salvador. Bivar (1785 – 1865) foi um dos mais atuantes intelectuais nos primeiros tempos da imprensa bahiense, colaborando com o padre Ignacio José de Macedo (1764-1834) na redação de a Idade d’Ouro do Brazil. Além disso, Bivar tomou parte na redação da revista As Variedades, considerada a primeira revista do Brasil, publicada em 1812.  Foi também o autor do Almanaque da Bahia para 1812, o primeiro do gênero que se imprimiu no Brasil (1811). Bivar ousou, numa época em que francesia e jacobinismo eram sinônimos, publicar seu pequeno compêndio gramatical francês, tão bem recebido que o livreiro francês Rolland, radicado em Lisboa, imprimiu a segunda edição na capital portuguesa em 1820, com 32 páginas, também anonimamente.

 

OLL Blog – Unveiling the Camiliana at the Oliveira Lima Library

Castello Branco, Camillo. A Senhora Rattazzi. Porto: Livraria Internacional de Ernesto Chardron, 1880.
Castello Branco’s A Senhora Rattazzi (1880), part of OLL’s Camiliana.

Portuguese writer Camilo Castelo Branco (1825-1890), is considered one of the most important writers of his generation. His unmistaken style granted him an avid readership and a place in the heart of bibliophiles interested in lusophone literature. Castelo Branco lived as intensely as he wrote. His 1862 novel Amor de perdição (Doomed Love: a Family Memoir), famously inspired by his love affair with a married woman, was written during his imprisonment for adultery and became a bestseller. He was one of the few able to live off of his craft in his time. Castelo Branco wrote novels, plays, essays and poems. He also worked as a translator, translating French and English books to Portuguese. The irresistible force of love is a constant subject of his works, as much as social prejudice and the many forms of moral corruption, leading to stories that often end up in tragedy. Not all of them, though. There is also redemption, achieved through a great deal of suffering, and plenty of comedy. 

As a writer and translator, Castelo Branco had a prolific career, producing over 260 books until his death in 1890.  Although not entirely confined by the canon of Romanticism, he remained a stark critic of the Realist style represented by Eça de Queiroz. The two men were the most prominent examples of the main literary trends in the 19th century.  The importance of Castelo Branco in that context can not be overstated.

No collection of literature of the Lusophone world worthy of its name is complete without the presence of Camilo Castelo Branco. Manoel de Oliveira Lima, passionate bibliophile and book collector since the early age of 14, was very aware of that. Educated in Lisbon, he undoubtedly read and studied Castelo Branco’s works during his formative years. Later, an already seasoned scholar and book collector, he decided to build his very own Camiliana which would become part of the Oliveira Lima Library. Comprising more than 300 volumes, including original works, translations, catalogues from book sellers, Camiliana catalogues, compilations of correspondence, anthologies, and even books that belonged to Camilo Castelo Branco, is still a treasure to be unveiled. 

Castelo Branco, Camilo. Catalogo da preciosa livraria do eminente escriptor Camillo Castello Branco: contendo grande numero de livros raros ..., e muitos manuscriptos importantes, a qual será vendida em leilão. em Lisboa, no proximo mez de dezembro de 1883 ... sob a direcção da casa editora de Mattos Moreira & Cardosos. Lisboa: Typ. de M. Moreira & Cardosos, 1883.
Catalogue of a book auction in Lisbon that sold part of Castelo Branco’s private collection

The idea of revealing Oliveira Lima’s Camiliana to the world had already been in my plans for quite some time when a serendipitous encounter with Fabiano Cataldo, Professor of the School of Librarianship at the Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) in Brazil, transformed it into a project. Prof. Cataldo researches and teaches on the management of Special Collections in Libraries and has extensive experience organizing specialized catalogues. More recently, he has been interested in the study of book provenance. That interest prompted him to start a project in 2018 with colleagues from Brazil, Argentina, the United States and the United Kingdom, to map other similar projects, carry out an extensive review of concepts, and to study forms of identification and description of provenance marks. Ever since becoming a member of the Projeto “A Eloquência dos Livros: marcas de proveniência Bibliográfica”, the plan to organize a specialized catalogue of the Camiliana took a more defined shape. With the collaboration of Prof. Cataldo,  we developed a plan to study the collection within the framework of the field of provenance studies. The final product will be a printed catalogue of our Camiliana, possibly accompanied by an electronic version. The bibliographic records will also be accessible via our online catalogue.   

Denis, Jean F, Pierre Pincon, and Guillaume F. Martonne. Manuels Roret - Nouveau Manuel De Bibliographie Universelle. Tome I. Paris, a la Librairie Encyclopédique de Roret, 1857.
Castelo Branco’s signature in one of the books acquired in the Lisbon book auction by Oliveira Lima that are now part of the OLL collection.

We are currently in the early stages of the project, which consists of the inventory of the collection. In completing this phase of the project, the aid of our team at the Oliveira Lima Library has been unvaluable. Cataloguing and the itemized description of the books will follow, with a special focus on the provenance marks, of course. Unfortunately, our work schedule has been affected  by the ongoing pandemic. We are doing our best to keep working while being safe. Although we are working exclusively from home and Prof. Cataldos’ visit will not be possible in the summer as previously planned, we are aiming to come up with creative solutions and keep the work going. We hope to be able to announce updates soon. Stay tuned for news on the project! 

OLL Blog – Farewell to a Friend of Books

Manoel de Oliveira Lima offered to bequeath his library to Catholic University in a letter to the University's Rector in 1916
Letter from Manoel de Oliveira Lima to Bishop Thomas J. Shahan, Rio de Janeiro, 10/12/1916. American Catholic History Research Center and University Archives, The Catholic University of America.

Today marks the 92nd anniversary of the passing of Manoel de Oliveira Lima. The Brazilian diplomat and world renowned scholar had moved permanently to the United States with his wife Flora de Oliveira Lima to fulfill a dream. They arrived in 1921, settling in the nation’s capital with one main goal in mind : organizing his colossal personal library of approximately 40.000 volumes at the Catholic University of America (CUA). The donation of this treasure trove of books, manuscripts, maps, photographs, works of art and memorabilia was formalized in 1916 in a letter sent to University’s rector Bishop Thomas J. Shahan. The Board of Trustees promptly accepted the donation and agreed to the conditions imposed: Dr. Lima himself would be the librarian in charge, the collection should bear his name, and it was never to be dispersed or incorporated in the university’s general library. 

Ever since his retirement from the diplomatic service in 1913, Dr. Lima was planning to devote the rest of his life to become a full time scholar. He had travelled extensively, lecturing in the United States in 1912 after teaching a course in Stanford. In the fall of 1915, he had the honor to be invited by Harvard University to be the first occupant of the newly created Chair of Latin American History and Economy, which he accepted. Returning to Brazil in 1916, the Oliveira Limas had to patiently wait for safer travel conditions and ended up staying in their hometown of Recife in Brazil during World War I. 

Our Professorial Corner, The Harvard Illustrated Magazine. Cambridge, Mass.: Harvard Illustrated, v.17 (1915-1916), p. 87.

Boxes filled with books were shipped  straight to the CUA campus not only from Brazil but also from London and Brussels, the last locations of the diplomatic residencies in Europe. The organization of the library took longer than Dr. Lima and his wife expected. The extenuating work took a toll on his already fragile health and they went for a health-related trip to Europe in 1923. A tireless scholar, Lima found time to give a series of lectures to inaugurate the Chair of Brazilian Studies at the University of Lisbon before heading to Karlsbad, a famous spa town. The time spent in Lisbon, where he grew up and was educated, and the treatments at the sanatorium were reinvigorating, but more work awaited him back home. 

J. De Siqueira Coutinho, Manoel de Oliveira Lima, Bishop Thomas J. Shahan, Fr Bernard A. McKenna, Ruth Holmes at the Oliveira Lima Library on the 3rd floor of McMahon Hall. The Oliveira Lima Library, The Catholic University of America.

Upon his return, Dr. Lima was appointed Associate Professor of International Law in the School of Canon Law at Catholic University. He took great pleasure in lecturing and advising students while simultaneously focusing on the organizational work of the library, however his health continued to deteriorate. With the support of his wife and the librarian Ruth Holmes, he finally opened the Oliveira Lima Library to the public in 1924. The custom-made wooden shelves occupied rooms on the third floor of McMahon Hall while construction of Mullen Library was on the way. 

Unfortunately, Dr. Lima did not live to see his library installed in the space he had selected in the new building. On March 24, 1928, the founder of the Oliveira Lima Library passed away in his home in Washington DC. Bishop Shahan celebrated the Requiem mass at the Shrine, during which he described the late Professor as ”one of the foremost men of letters of the time”  and a “pioneer in the work of establishing Pan American amity and universal peace”.  (The Tower, Wednesday, March 28, 1928, p. 1 ).

Manoel de Oliveira Lima was buried at the Mount Olivet Cemetery in Washington DC. Per his instructions, his epitaph in Portuguese says only “Aqui jaz um amigo dos livros” (“Here Lies a Friend of Books” in English). 

Mount Olivet Cemetery, Washington D.C.